sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019

Thunder - Notícias Populares - 1985


Thunder é uma série na linha espada e feitiçaria criada por Roger (Rogerio Reis) para o jornal Notícias Populares em 1985.

Segundo o próprio autor: "Eu havia acabado de desenhar várias séries seguidas de ação e espionagem, como Esquadrão Cinco, Agente Ômega e Espionagem, e resolvi criar algo diferente, fora do que eu andava fazendo. Tive então a idéia de criar um personagem no estilo Conan, que portava uma arma de raios, chamado – por este motivo – de Thunder.


A história tinha ação, suspense, mulheres atraentes, seres misteriosos e  feiticeiros, bem ao estilo dos personagens da era hiboriana.

Jamais situei a história no tempo, de modo que tanto ela poderia se passar num futuro pós-apocaliptíco, como num passado longínquo. No primeiro caso, a arma de raios viria naturalmente do futuro, e no segundo, provavelmente teria vindo do contato com alguma civilização extraterrestre.

A série Thunder veio a lume imediatamente antes de Doutor Manitu, que a sucedeu com bastante sucesso".

terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2019

Burí - Diário Carioca - 1949

Um índio solitário, Burí vive suas aventuras nas florestas do Mato Grosso, às voltas com mulheres lindíssimas e cidades perdidas.

Criação de Eduardo Barbosa, Burí continuou suas aventuras nas páginas do jornal Última Hora em 1956, agora com a participação de Hugo Winkelmann.

No Última Hora é esclarecida a origem de Burí, filho de uma índia com um garimpeiro, que após a morte da esposa, leva o garoto para ser educado na cidade. Depois de alguns anos, Burí volta às matas para se tornar "o senhor da lança", líder de todas as tribos.

Eduardo Barbosa, após uma carreira vitoriosa, de longos anos, acabou ficando conhecido pelo triste episódio ocorrido nos anos 1980, quando, em dificuldades financeiras, tentou se passar pelo desenhista de quadrinhos eróticos, Carlos Zéfiro. Essa história é muito bem contada no livro O Deus da Sacanagem, de Gonçalo Júnior da editora Noir - 2018.

Acima, imagens de duas histórias eróticas de Eduardo Barbosa: As três cabras de Lampião e Valdir, o astronauta.

....................................................................................

No Blog do Gutemberg, encontramos a seguinte biografia de Barbosa

"Eduardo Barbosa: Uma vida em função do quadrinho nacional. Autêntico.

O desenhista, jornalista e arquiteto Eduardo Barbosa (1914-2006), carioca de Bonsucesso chegou em Salvador em 1973 e não voltou mais para sua terra. O batismo de quadrinhos foi com a revista o Tico Tico. De leitor, passou a desenhista no Suplemento Juvenil, de Adolfo Aizen. O segundo batismo foi com Alex Raymond (autor de Flash Gordon, Jim das Selvas e Nick Holmes), seu grande ídolo.

Daí em diante, começou a mudar e a lutar por um quadrinho mais nacional. Chegou a ser relator de uma lei que regulamentava as histórias em quadrinhos no Brasil, no Conselho Nacional de Cultura (no término do Governo de João Goulart). Na oportunidade, reuniram-se vários desenhistas para discutir os problemas do quadrinho nacional. A lei foi engavetada, como aconteceu com todas as outras que a procederam.

Barbosa no jornal Bamba, 1952.

Mesmo sem condições de lançar seus próprios personagens, pois as editoras estavam mais interessadas nos quadrinhos de fora, Barbosa continuou a desenhar. Fez quadrinhos para a Série Sagrada (São Judas Tadeu, Cosme & Damião, N.S.da Penha de França, Bom Jesus da Lapa, São Jorge, Santo Agostinho, N.S.da Conceição) e As Grandes Figuras (Rondom, Raposo Tavares) da Editora Brasil América Ltda (Ebal), os Clásicos Ilustrados, Cavaleiro Negro, Reizinho, Fantasma, da Rio Gráfica Editora, Fuzarca e Torresmo para a La Selva, Tio Patinhas para a Abril, entre outras.
Série Sagrada nº 18 - Ebal - 1955, por Eduardo barbosa.

Em 1958, escreveu um livro sobre Lampião (Lampião, Rei do Cangaço) que serviu de base para um filme de Carlos Coimbra (pelas Cinedite). Publicou também no Gazetas de Notícias, do Rio, em folhetim, o romance Judas Tadeu, além de escrever colunas de artes plásticas, participar de coletivas, fazer xilogravuras, reformar graficamente diversos jornais, inclusive as revistas de Cultura Vozes. Foi secretário de redação do Diário da Manhã (1961), no Maranhão.

No Rio, foi repórter de polícia e política, chefe de reportagem e diagramador. Nos anos 60 ele e mais dois amigos resolveram editar quadrinhos eróticos (os famosos catecismos onde Carlos Zéfiro já fazia sucesso). Em 1979, Ano Internacional da Criança, ilustrou Gato na Lua, de Maria Lúcia Amaral e A Velha Bizunga de Ofélia e Narbal Fontes. Veio para Salvador e atuou no Diário de Notícias, Correio e Jornal da Bahia.


Criou histórias sobre a Força Expedicionária Brasileira (Histórias e Heróis da FEB) que foram publicadas em 1975/1976 no Diário de Notícias de Salvador. Em 1977 produziu uma HQ sobre a Lenda da Lagoa do Abaeté, em homenagem aos 70 anos de Adolfo Aizen. A historieta foi publicada em 1979 no Jornal da Cidade, em Aracaju.

No início dos anos 80 iniciou uma HQ para a França, intitulada Yama – Le Mage, mas não recebeu retorno. Trata-se de uma história de aventuras que envolve uma série de diferentes países: Egito, India, Tibet, Africa nos anos 30. Além das entrevistas dada ao jornal Correio da Bahia, foi destaque numa reportagem publicada no fanzine Na Era dos Quadrinhos. Casado com a jornalista Naira Sodré, Eduardo Barbosa morreu no dia 07 de julho de 2006".

Ilustração de Barbosa para o jornal Última Hora em 1955.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Oberdan - O Matraca - 1981

Criado por Cassiano Roda para o jornal O Matraca em 1981, Oberdan era um papagaio crítico e abusado que comentava com humor os assuntos da atualidade. Como a editora Cotia, que editava o jornal, ficava na cidade de mesmo nome em São Paulo, Oberdan tinha por companheira uma cotia!

O Matraca era editado por Carlos Melo e Cassiano Roda, com a participação de Laert Sarrumor, do grupo Língua de Trapo e tinha como foco, principalmente, o mundo musical.
Segundo a Wikipédia: "Em 1981 o Língua (de Trapo) deixou de ser apenas (um grupo) musical para se tornar multimeios, produzindo filmes de curta metragem e lançando um jornal de humor e informação, O Matraca; este jornal inspirou a Rádio Matraca, nome dado a uma sequência de esquetes, paródias e vinhetas humorísticas ouvidas nos shows do grupo... Em 1984 André Barbosa Filho, ex-integrante da banda de pop-rock Light Reflections e na ocasião, coordenador da emissora USP FM, pertencente à Universidade de São Paulo, assistiu a um dos shows do Língua e teve a ideia de convidar o grupo a transformar a série de esquetes num verdadeiro programa de rádio".

Cassiano Roda criou também as tiras Bolibicho, Vush e Paola.
Cassiano Roda na revista Klik nº 08, Ebal, 1977.

sexta-feira, 1 de fevereiro de 2019

Tiras Paulistas - 1963-1968 - Luigi Rocco


Entre 1963 e 1968, três jornais paulistanos de grande circulação publicaram tiras em quadrinhos de vários autores que, nos anos seguintes, se tornariam expoentes importantíssimos dos quadrinhos brasileiros, definindo os rumos das HQs em nosso país, a partir desse período.

A Nação, Diário Popular e Diário de S. Paulo estampariam em suas páginas nomes como Minami Keizi, Mauricio de Sousa, Gedeone Malagola, Carlos Cunha e muitos outros.

Conheça neste livro um pouco dessa história fascinante que permaneceu esquecida durante vários anos, simplesmente porque os jornais, por sua fragilidade física e descartabilidade, desaparecem de nossas vistas quase que imediatamente após serem lidos, indo parar nos aterros sanitários, usinas de reciclagem ou forrando gaiolas de passarinho.


"Pesquisar e disponibilizar fatos históricos é um trabalho de preservação da memória dos mais importantes. Parabéns ao cartunista Rocco que buscou as tiras de artistas brasileiros publicadas na década de 60 nos jornais de São Paulo. Um trabalho bem feito e que nos traz momentos especiais que poderiam ser esquecidos. Agora não serão".
Mauricio de Sousa 


sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

P.3014 - Notícias Populares - 1974

Criado por Airon e Marcelo (Verde) Barreto em 1974 e publicado no jornal Notícias Populares, P.3014 é um extraterrestre tentando entender como funcionam as coisas na Terra. Muito associado ao movimento hippie, em voga na época, e com um traço ainda em experimentação, P.3014 teve poucas tiras lançadas nesse jornal.


Em 1975, P.3014 estreou no Suplemento Quadrinhos da Folha de S. Paulo, em cores e já com um traço mais amadurecido.

Suplemento Quadrinhos, Folha de S. Paulo, 1975.

A partir de 1979, o extraterrestre foi reformulado para servir de personagem principal da série O Saturniano, distribuída pelo Projeto Tiras, da editora Abril. Para conhecer essa fase, clique aqui.

O Saturniano.

Segundo Verde: "O P é de policial e o 3014 seria o número do registro dele como policial de Saturno. As duas primeiras tiras foram desenhadas por mim. O tabloide e o desenho do Saturniano foram feitas pelo Airon!".

sexta-feira, 18 de janeiro de 2019

Paola - A Gazeta - 1974

Paola, tira contando as sacadas bem humoradas de duas irmãs, geralmente com uma abordagem poético filosófica. 
Criada por Cassiano J. Roda, a série era publicada em 1974 no jornal A Gazeta, da Fundação Casper Líbero
Nesse período, Cassiano passava por um período de grande ebulição criativa, pois publicava ainda a série Bolibicho no jornal Folha da Tarde e Vush na Folha de S. Paulo, ambos do Grupo Folha.