quinta-feira, 15 de março de 2018

Teobaldo, o detetive - Diário da Noite - 1963


Sempre às voltas com a bandidagem, Teobal­do, o detetive, era muito engraçado e fre­quentemente deixava seu chefe, o delegado, em apuros.


Criado por Lyrio Aragão, estreou no Diário da Noite em 1963, distribuído pela Maurício de Sousa Produções (na época ainda chamada de Bidulândia). Como Lyrio Aragão havia sido policial, conseguia com maestria imbuir suas tiras com aquele espírito típico dos ambientes de delegacia.


Teobaldo teve revista própria pela editora Jo­taesse entre 1966 e 1967 com pelo menos 4 números editados, além de participações em várias revistas de piadas da mesma editora. 

Teobaldo no livro A Técnica do Desenho, de Jayme Cortez.

Quando da estreia da tira, o Diário da Noite publicou a seguinte matéria: 

"NOVO HERÓI DE HISTORIETA ESTREIA AMANHÃ - Lyrio Aragão Dias era um detetive da Polícia paulista que vivia a caricaturar os companheiros do Departamento de Investigações.

Com o tempo, lhe disseram que poderia fazer histórias em quadrinhos, com os tipos pitorescos que criava, nascendo então um personagem que, de certa forma, é uma "colcha de retalhos" da vida cotidiana da Polícia. Trata-se do “Teobaldo, o detetive" figura da historieta em quadrinhos que se apresentará no DIÁRIO DA NOITE, trazendo aos leitores o lado cômico da vida policial de nossa cidade.

LANÇAMENTO NA “BIDULÂNDlA"

A “Bidulândia Serviços de Imprensa", que já criou para os leitores do DIÁRIO DA NOITE os personagens “Hiro e Zé" e “Piteco” foi quem lançou Lyrio Aragão Dias no terreno das historietas cômicas para jornais. Antes fazia contos de terror para revista do gênero, mas suas historietas macabras tinham um cunho de humorismo, chegando a provocar reclamações por parte dos editores, motivo pelo qual resolveu aproveitar este qualidade de fazer humorismo criando o personagem que será apresentado, como o detetive "Teobaldo"".

A última tira do personagem, e algumas outras poucas antes dela, provavelmente por problemas de tempo de Lyrio Aragão, foram desenhadas, podemos reconhecer pelo traço, pelo próprio Maurício.

Sobre o autor, a Wikipedia tem uma boa fonte de informações: "Lyrio Aragão Dias (9 de novembro de 1933 - 31 de dezembro de 1968) foi roteirista e desenhista de História em Quadrinhos policiais e de terror nas décadas de 1950 e 1960, em revistas das editoras Outubro, Jotaesse, Taika e D-Arte. 

Lyrio Aragão na Folhinha de S. Paulo em 1963.

Suas charges (as Piadas do Além) e histórias em quadrinhos foram publicadas em Terror Magazine, Mestres do Terror e Calafrio. Ativista pela valorização da produção nacional de quadrinhos, foi um dos fundadores da Associação dos Desenhistas de São Paulo (Adesp), no início dos anos 1960. Ocupou o cargo de secretário-geral na diretoria, presidida por Maurício de Sousa. Trabalhou depois nas agências de publicidade McCann-Erickson e Alcântara Machado".


Teobaldo na revista Bom Humor nº 27 da editora Jotaesse em 1968.


Nenhum comentário: